GINECOLOGIA NATURAL E TRATAMENTOS ALTERNATIVOS SÃO OPÇÕES PARA MANTER A SAÚDE DA VAGINA

Na contracorrente do consumo desenfreado e sem consciência e do desperdício de resíduos no planeta, surgem práticas e alternativas mais sustentáveis, como a ginecologia natural, que vêm retornando ao meio urbano e se popularizando no Brasil. De acordo com as médicas ginecologistas e sócias da Clínica EMEG, Ana Cristina Batalha, Cristina Sá e Ticiana Cabral, o movimento vem com a proposta de resgatar práticas ancestrais das mulheres no cuidado com o próprio corpo.

Entre os principais hábitos dessa prática estão o uso de plantas e produtos naturais em tratamentos contra fungos, bactérias, alergias e até mesmo no alívio dos sintomas da TPM e menopausa. “A ginecologia natural é muito recomendada para mulheres que sofrem de infecções recorrentes, como a candidíase, por exemplo, ou para quem busca reduzir o uso de algum medicamento”, destaca Cristina Sá.

Além disso, a ginecologia natural pode reforçar alguns tratamentos não invasivos que dispensam o uso de medicamentos e substâncias químicas, como o LED vaginal, uma das novidades da ginecologia altamente eficaz no tratamento de infecções recorrentes e atrofia vaginal, explica Ticiana Cabral. “A candidíase já tem tratamento por meio de pomada que, em alguns casos, pode durar meses e que, em 70% dos casos, as pacientes voltam a ter o fungo. Já com o uso do LED, uma média de duas sessões por semana costuma ser suficiente”, comenta.

Os chás, ervas, óleos naturais e banhos de assento são utilizados há muito tempo para ajudar a aliviar dores, amenizar cólicas, coceiras, ressecamento e corrimentos. De acordo com Ana Cristina Batalha, inúmeras receitas milenares são passadas de geração em geração. “Mas é importante lembrar que nem tudo vai substituir o tratamento convencional, com antibióticos ou antifúngicos, por exemplo. Por isso, quem tiver qualquer sintoma precisa ir ao ginecologista para receber o diagnóstico adequado e saber quais tratamentos são mais indicados para cada situação e o que pode ou não ser usado”.

Para ajudar as mulheres a cuidarem de si e também a darem mais atenção para a própria vulva, as ginecologistas selecionaram alguns ingredientes e produtos naturais que são amigos da vagina e que todas podem ter em casa:

Camomila

A camomila é uma das maiores aliadas da saúde íntima da mulher e pode ser usada por todas, sem restrições. Sua ligação com o feminino já está no seu nome científico Matricaria chamomilla, onde Matricaria significa útero. O chá, feito com camomila a granel, quando bebido, alivia a cólica, mas também pode ser usado para limpeza, esfoliação (com as folhas e flores do chá) e para o banho de assento, que possui um forte efeito curativo e de conexão com o sagrado feminino. “Com propriedades calmantes e anti-inflamatórias, ela é usada para aliviar a irritação e coceira provocadas pela candidíase, além de melhorar assaduras”, indica Ticiana Cabral.

Óleo de Côco

Muito indicado para limpeza e para ajudar na lubrificação, o óleo de coco é um grande aliado das mulheres que sofrem de secura vaginal, principalmente na menopausa, ou que possuem alergia à lubrificantes industrializados. “Com propriedades antioxidantes e cicatrizantes, é utilizado para combater ou prevenir a candidíase e fortalecer o sistema imunológico”, destaca Cristina Sá. Pode ser aplicado diretamente na vulva. “É importante utilizar sempre o óleo extravirgem 100% natural”.

Óleo de Melaleuca

Seu óleo essencial é utilizado para aliviar a ardência na vagina, seja provocada por infecções fúngicas, bacterianas ou alergias. Tem propriedades antissépticas e antifúngicas. Para usar, basta pingar algumas gotas em uma bacia com água morna e fazer o banho de assento.

Bicarbonato de Sódio

Por ter pH alcalino, o bicarbonato de sódio reduz a acidez da vulva e a deixa com um pH não favorável para os fungos, causadores da candidíase. Uma colher de sobremesa para um copo de água é o bastante para fazer o enxágue. “Ao sentir os primeiros sinais de que pode vir a ser a infecção, fazer o enxágue após o banho com a mistura pode ajudar a diminuir a reprodução exagerada dos fungos, melhorando a queixa”, dá a dica Ana Cristina Batalha.

Vinagre de Maçã

O vinagre de maçã tem propriedades antissépticas e ajuda a reequilibrar o pH vaginal, ajudando a combater os microrganismos causadores da candidíase, e também ajudando a aliviar os sintomas da cistite (infecção e/ou inflamação da bexiga).

Chás

O chá de amora é indicado pra mulheres na menopausa, pois ajuda a melhorar alguns sintomas, como as ondas de calor. O chá de barbatimão possui ação anti-inflamatória e cicatrizante, que ajuda a controlar o corrimento vaginal, atua na cicatrização de feridas, úlceras e hemorragias uterinas. O chá de uva-ursina, com propriedades antibacteriana e antisséptica, é utilizado como tratamento natural contra vaginose bacteriana. Já o chá de gengibre age como um anti-inflamatório e, em conjunto com a camomila, é ideal para diminuir a intensidade das cólicas e os sintomas da TPM.

Alimentos Fitoestrogênios

Fitoestrogênios são substâncias naturais semelhantes ao estrogênio que exercem uma ação semelhante à desse hormônio no corpo, estimulando a lubrificação. Alguns desses alimentos são: linhaça, soja, tofu, inhame, rebentos de alfafa, cevada e sementes de abóbora.

Gabriela Bandeira
Comunicativa, antenada e com atuação há mais de 16 anos na área de assessoria de comunicação, Gabriela Bandeira é jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), com curso de extensão na Universidade de Jornalismo de Santiago de Compostela (Espanha). Em 2019, reuniu toda a sua experiência e expertise em comunicação estratégica e conteúdos digitais, com atuação há mais de 12 anos no segmento de shopping center, e abriu a própria agência: a Comunicando Ideias. Filiada à Associação Brasileira de Agências de Comunicação (ABRACOM), possui alcance na Bahia e outros estados do Nordeste.