CIRURGIA ORTOGNÁTICA CORRIGE PROBLEMAS FUNCIONAIS E TRAZ AUTOESTIMA E QUALIDADE DE VIDA

Você sofre na hora de mastigar, apresenta algum incômodo com o posicionamento do maxilar, tem problemas com a articulação da fala ou respiração alterada? Estima-se que 25 a 30% da população apresenta algum grau de desarmonia facial e que – no mínimo – metade desse total necessita de tratamento.
Indicada para esses casos citados, a cirurgia ortognática corrige a mordida (oclusão) e, por consequência, provoca efeitos estéticos, haja vista que o reposicionamento maxilar oferece um novo contorno para a face do indivíduo. “Geralmente ela é indicada para adultos que sofrem com alterações nos maxilares”, explana Dr. Marcus Sapucaia (@marcus_sapucaia), cirurgião bucomaxilofacial, sócio da Bahia Ortognática (@bahiaortognatica).
A técnica traz inúmeros benefícios, um deles é a melhor articulação da fala. “Sabemos que a boca é responsável por muitas funções, desde a mastigação até a fonação. Quando há uma irregularidade no crescimento maxilar, os órgãos responsáveis pela fala podem ser afetados por conta do mau posicionamento da musculatura e à dificuldade respiratória”, informa Sapucaia. “O método ortognático devolve ao paciente a extensão vocal, repercutindo na harmonia das cavidades nasal e oral, aumentando a potência da voz”, acrescenta.
Segundo Dr. Saulo Pires (@drsaulopires), também cirurgião bucomaxilofacial e sócio da Bahia Ortognática, outro benefício que pode ser citado é o aprimoramento da mastigação. “Pessoas que possuem a maxila desproporcional à estrutura facial apresentam dificuldade ao comer e têm uma deglutição difícil. Após a cirurgia, os músculos faciais deixam de causar dor na mandíbula e a mastigação e a digestão melhoram”, explana. Além disso, após o reposicionamento do maxilar em relação à face, a capacidade respiratória também melhora. “O indivíduo passa a sofrer menos com distúrbios de sono e consegue equilibrar o metabolismo”, sinaliza.
Estética em pauta
A cirurgia ortognática não traz somente ganhos funcionais na respiração, mastigação e digestão. Ela também é indicada para quem sofre com o descontentamento estético, já que o crescimento exagerado de ossos na boca pode causar assimetria facial. “Nesses casos, a intervenção recoloca a mandíbula e a maxila, aprimorando a simetria do rosto do indivíduo em algumas semanas”, afirma Marcus Sapucaia.
“Vale salientar que o processo deve ser planejado de forma ampla, pois os resultados atingem diversos pontos da face”, acrescenta Saulo Pires. Quando se mexe no posicionamento do queixo pode-se notar uma diferença no nariz, por exemplo. “Não podemos esquecer que o desconforto com a aparência pode levar a danos psicológicos e à depressão. A cirurgia ortognática devolve a autoestima para o indivíduo e o auxilia a ter mais segurança com o próprio corpo”, acrescenta Dr. Saulo.
Gabriela Bandeira
Comunicativa, antenada e com atuação há mais de 16 anos na área de assessoria de comunicação, Gabriela Bandeira é jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), com curso de extensão na Universidade de Jornalismo de Santiago de Compostela (Espanha). Em 2019, reuniu toda a sua experiência e expertise em comunicação estratégica e conteúdos digitais, com atuação há mais de 12 anos no segmento de shopping center, e abriu a própria agência: a Comunicando Ideias. Filiada à Associação Brasileira de Agências de Comunicação (ABRACOM), possui alcance na Bahia e outros estados do Nordeste.