Arquitetura humanizada: conheça as tendências para melhorar a qualidade de vida através dos ambientes

Para a arquiteta Itana Lemos, a arquitetura humanizada contempla todas as estratégias para promover saúde através dos ambientes

Você sabe quanto tempo passa dentro de sua casa? Com os avanços da arquitetura contemporânea, os projetos de residências passaram a priorizar não apenas a harmonia dos ambientes e o melhor aproveitamento possível de cada espaço, mas, sobretudo, os seres humanos que ali vivem, levando em conta seus hábitos de vida, demandas e desejos. Sob o conceito de melhorar a qualidade de vida através dos ambientes, a arquitetura humanizada contempla todas as ciências voltadas para promover saúde e bem-estar com ferramentas alinhadas às tecnologias e necessidades humanas atuais.

De acordo com a arquiteta Itana Lemos, uma casa humanizada faz uma grande diferença na vida das pessoas, pois o lugar em que se mora influencia de forma direta no bem-estar e na saúde. Entre as tendências que integram esse tipo de arquitetura estão a Neuroarquitetura, Arquitetura da saúde, Psicoarquitetura, Biofilia e arquitetura bioclimática.

“Arquitetura humanizada é a soma de todos esses estudos e conceitos que têm o foco de fazer a diferença na qualidade de vida das pessoas. Com a pandemia, isso tudo ficou em evidência, e acredito que é um caminho sem volta. O arquiteto precisa levar esses conceitos em consideração para promover saúde através dos ambientes”, destaca.

Aspectos naturais do ser humano – A arquitetura da saúde, por exemplo, traz muitas considerações que influenciam de forma efetiva e comprovada no prolongamento da vida do indivíduo, e pode ser aplicada tanto em clínicas e hospitais quanto em espaços domésticos. “A conclusão que se chega em todos os estudos dessa ciência é que quanto mais o indivíduo consegue se aproximar de aspectos naturais do ser humano – como respeitar o seu ciclo circadiano, promover iluminação e ventilação natural nos espaços e estar mais próximo da natureza – mais ele consegue prolongar sua vida de forma saudável”, explica a arquiteta.

Por isso, ao desenvolver projetos, é essencial favorecer a iluminação e a ventilação natural. “A iluminação natural tem um papel importante no controle do nosso ciclo biológico, também conhecido como ciclo circadiano, que regula os processos do corpo a cada 24 horas. Ele está relacionado à produção de hormônios, controle de temperatura corporal e pressão arterial, qualidade do sono, sensação de fome e funcionamento dos sistemas urinário e digestivo. Por isso é tão importante estarmos em contato com o ciclo dia e noite de uma forma mais natural”, comenta. 

Já a ventilação natural, princípio básico da arquitetura bioclimática, colabora tanto para a saúde dos usuários quanto para a eficiência energética da edificação, explica a arquiteta. “Um ambiente fechado, onde não há troca de ar, contribui para problemas respiratórios, alergias e propagação de doenças transmissíveis pelo ar”.

A vegetação é outra tendência fundamental nos projetos contemporâneos. A inserção da natureza atende à necessidade humana de se relacionar e estar em conexão com o meio natural, ajudando a promover bem-estar, conforto e saúde emocional. Além do toque estético ao ambiente, as plantas também ajudam a manter uma melhor qualidade do ar e até mesmo diminuir o nível dos ruídos urbanos.

Projetos mais personalizados – Ao colocar em prática todos os princípios da arquitetura humanizada, o resultado final é um projeto completamente alinhado à identidade do cliente. “Como o objetivo é proporcionar bem-estar aos moradores, a abordagem humanizada envolve uma maior conexão entre arquiteto e cliente e também recursos que facilitam a comunicação de ideias, como plantas mais realistas, com ferramentas 3D, projeção de luz e sombra, cores e texturas.

Trata-se de uma estratégia para oferecer projetos ainda mais personalizados, que conseguem colocar a essência das pessoas na decoração e também apresentam soluções reais, que integram totalmente os ambientes às atividades que neles são realizadas. “Um lugar ideal para viver precisa trazer ao indivíduo a sensação de pertencimento, precisa ser a sua extensão, logo, tem que ter aspectos que falem dele: as memórias afetivas, o conforto climático e a decoração em que o morador se identifique, se veja ali, irá influenciar de forma significativa na vida de uma pessoa que busca maior qualidade de vida”.

Sobre Itana Lemos

Com expertise em projetos arquitetônicos de casas condominiais e atuação em diversas cidades da Bahia, Itana tem catalogados mais de 300 projetos nesse nicho. A arquiteta tem especialização em desenho de interiores em Barcelona e especialização em psicoarquitetura, com passagens em grandes escritórios de arquitetura, como Sidney Quintela. Já participou da mostra ‘Morar Mais por Menos Salvador’ com o projeto Loft do Artista, em homenagem a Carlinhos Brown. O Itana Lemos Arquitetos Associados, localizado em Santo Antônio de Jesus e com filial em Salvador, foi reconhecido como o melhor escritório de arquitetura da capital do recôncavo baiano, durante cinco anos consecutivos, pela premiação ‘Melhores do Ano’ da Associação Comercial de Santo Antônio de Jesus. Além disso, a empresária comanda o Maymone Arte, estúdio de obras de arte feitas à mão, com design contemporâneo e matérias primas totalmente naturais e genuinamente brasileiras. Veja mais no instagram: @itanalemosarquitetura

Gabriela Bandeira
Comunicativa, antenada e com atuação há mais de 16 anos na área de assessoria de comunicação, Gabriela Bandeira é jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), com curso de extensão na Universidade de Jornalismo de Santiago de Compostela (Espanha). Em 2019, reuniu toda a sua experiência e expertise em comunicação estratégica e conteúdos digitais, com atuação há mais de 12 anos no segmento de shopping center, e abriu a própria agência: a Comunicando Ideias. Filiada à Associação Brasileira de Agências de Comunicação (ABRACOM), possui alcance na Bahia e outros estados do Nordeste.