São João: veja os cuidados para evitar acidentes e problemas de saúde

Pediatra, oftalmologista e gastroenterologista destacam os principais cuidados no período das festas juninas

Muitas comidas típicas, brincadeiras, fogos e, para algumas famílias, a tradicional fogueira. No período das festas juninas, profissionais da saúde levantam o alerta para os cuidados com os pequenos e adultos a fim de evitarem acidentes e problemas de saúde, principalmente na pandemia. Além do risco de queimaduras, a mudança de temperatura e a fumaça dos fogos são combinações perfeitas para o aumento de problemas respiratórios, sobretudo entre as crianças, sem contar com o contato com a poeira e a fumaça que podem afetar a saúde dos olhos. Outro ponto que merece atenção é o exagero na alimentação. Com a ajuda de três médicos de diferentes especialidades – a pediatra Juliana Cabral de Oliveira, o oftalmologista do Itaigara Memorial Bruno Castelo Branco e a gastroenterologista do Itaigara Memorial Gastro-Hepato Alice Cairo – confira algumas dicas para evitar problemas durante o período junino:

Queimaduras e fumaça: a dupla que merece atenção redobrada

As brincadeiras com fogos sempre levantam o alerta para o risco de queimaduras, principalmente em crianças, que aumentam significativamente no período das festas juninas. A prevenção é fundamental, destaca a pediatra Juliana Cabral de Oliveira. “As crianças só devem brincar com fogos destinados para elas e, ainda assim, sempre com supervisão de um adulto. É responsabilidade dos pais e/ou responsáveis orientar a criança a não guardar nada nos bolsos da roupa, não acender vários de uma vez, não segurar cobrinhas e traques acesos e nem lançar em outras pessoas”, explica a pediatra.

É também no período junino que aumentam as doenças respiratórias, desencadeadas pelo contato com a poeira e a fumaça. “Pacientes alérgicos, portadores de rinite e asma, por exemplo, são altamente propensos a desenvolverem uma crise quando estão em contato com a fumaça”, alerta Juliana.

Fogos e danos oculares

Outro problema frequente são os danos oculares causados pelo contato com o fogo e a fumaça, avisa o oftalmologista do Itaigara Memorial, Bruno Castelo Branco. “São frequentes os casos de traumas e queimaduras oculares nesse período. É importante ter cuidado com todos os tipos de fogos, mesmo os mais leves, e evitar a proximidade com o fogo, faíscas e pólvora. A fumaça da fogueira pode causar desconforto, com lacrimejamento e ardor, que apesar de serem leves e temporários na maioria dos casos, podem ser mais persistentes em pacientes que já apresentem outras alterações oculares. Vale ressaltar que, durante a queima, alguns fragmentos ficam soltos no ar e podem atingir os olhos e causar queimaduras ao redor ou até mesmo no olho”. Em casos de queimaduras oculares, a orientação é fazer uma rápida lavagem com água corrente ou soro fisiológico e se dirigir, imediatamente, para a urgência oftalmológica.

Comidas típicas: aproveitando com moderação

Nos períodos juninos são comuns os exageros no consumo de comidas típicas, a base de milho, leite de coco e amendoim, que são alimentos altamente perecíveis e alérgenos, comenta a gastroenterologista do Itaigara Memorial Gastro-Hepato, Alice Cairo. “São alimentos que favorecem a ocorrência de casos de gastroenterites (vômitos, dor abdominal e diarreia), relacionados às intoxicações alimentares por vírus, bactérias ou fungos, que produzem toxinas. Tal fato pode estar associado tanto ao seu preparo, quanto ao seu acondicionamento. Também não podemos esquecer que o abuso no consumo de bebidas alcóolicas, inclusive dos licores, com alta concentração de álcool etílico, podem desenvolver quadros de alteração do nível de consciência, até o coma e hepatite. Podemos então, aproveitar os festejos, de forma alegre, sem exageros, cuidando da nossa saúde, principalmente em um momento tão ímpar, como este de pandemia, que estamos vivendo”.

Gabriela Bandeira
Comunicativa, antenada e com atuação há mais de 16 anos na área de assessoria de comunicação, Gabriela Bandeira é jornalista formada pela Universidade Federal da Bahia (UFBA), com curso de extensão na Universidade de Jornalismo de Santiago de Compostela (Espanha). Em 2019, reuniu toda a sua experiência e expertise em comunicação estratégica e conteúdos digitais, com atuação há mais de 12 anos no segmento de shopping center, e abriu a própria agência: a Comunicando Ideias. Filiada à Associação Brasileira de Agências de Comunicação (ABRACOM), possui alcance na Bahia e outros estados do Nordeste.