Falar de prótese peniana ainda é muito raro na sociedade brasileira, além de ser considerado um verdadeiro tabu e algumas barreiras como medo, vergonha, desinformação e erro de percepção, que na maioria das vezes mexem com o ego masculino.

A prótese peniana nada mais é que um implante que é colocado no interior do pênis para produzir uma ereção, podendo isso, ser utilizado para tratar a impotência sexual no homem, em casos de disfunção erétil, por exemplo.

De acordo com as diretrizes e consensos das Sociedades de Urologia do Brasil, da Europa e dos Estados Unidos, a cirurgia para implante de prótese peniana é indicada quando o homem não consegue restabelecer uma vida sexual satisfatória através de um tratamento mais simples.

Existem três modelos de prótese: maleáveis, infláveis de dois volumes e infláveis de três volumes. Cada caso exige uma analise e uma avaliação de um especialista de qual seria a melhor dela, para determinado individuo.

“Para chegar à conclusão de que a prótese é a melhor opção, não tem segredo, é preciso manter uma relação de confiança com o urologista e buscar uma maneira saudável de obter essa decisão, pois uma expectativa e decisão falsa, pode se tornar um desastre na vida do paciente, afirma o urologista Rogério Matos de Araújo.”

É importante se atentar que o objetivo da cirurgia que leva ao implante peniano, é restabelecer a rigidez do pênis, possibilitando a funcionalidade do membro para o sexo com penetração.

Segundo o especialista Rogério Araújo, “é muito comum, os homens caírem na armadilha de que o objetivo da prótese peniana é o aumento do pênis, e isso é uma armadilha sem volta, até porque, sabe-se que, o aspecto que certamente será solucionado pela prótese é aquele relacionado à rigidez. Todos os demais são relativos”.

A cirurgia para obter a prótese é simples, e geralmente rápida, mas, assim como todos os procedimentos cirúrgicos, requer cuidados e recomendações médicas.

“É importante salientar que esse tipo de cirurgia, é irreversível, conclui o urologista Rogério Araújo”.